segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

A paroquiana e o pleno amor

Uma paroquiana tinha um agradável ensaio de coral para ir na igreja com suas amigas. Porém, uma enferma do bairro precisou de cuidados naquela mesma hora e não tinha quem a substituísse. A paroquiana, então, não pensou em si mesma nem em seu próprio prazer. Deixou de ir ao ensaio onde gostaria, mas que outras poderiam substituí-la e foi ajudar a doente naquela noite. Vemos aí o verdadeiro e completo amor: deixar de fazer o que lhe dá prazer para fazer a vontade de Deus. Tantas vezes agimos com egoísmo fazendo somente atividades que são do nosso gosto e deixando outras mais urgentes. A vontade de Deus é que ajudemos primeiro as obras e pessoas mais necessitadas.