terça-feira, 13 de junho de 2017

Aparições de Nossa Senhora em Tre Fontane

As aparições de Nossa Senhora em Tre Fontane, Itália, aconteceram a Bruno Cornacchiola. Ele nasceu em Roma no dia 9 de maio de 1913, tornou-se protestante, mas voltou a ser católico por causa das aparições de Nossa Senhora que teve. Em 1936, Bruno casou-se com Iolanda Lo Gatto e teve três filhos: a menina Isola e os meninos Carlo e Gianfranco. Para agradá-la, ele fez as nove sextas-feiras ao Sagrado Coração. Mas depois, Bruno conheceu um protestante alemão que lhe incutiu um ódio feroz pelo Papa e pelo Catolicismo e se tornou protestante também. Assim, em 1938, comprou um punhal gravado: "Morte ao Papa". Em 1939, Bruno se tornou "Adventista do Sétimo Dia" e diretor da Adventista do Sétimo Dia juventude missionária de Roma e Lazio, com grande fervor contra a Igreja Católica, contra Nossa Senhora e o Papa. Sua esposa fez muitas tentativas para convertê-lo. Por muitos anos, ele fez de tudo para Iolanda deixar a Igreja Católica e destruiu todas as imagens dos Santos e o Crucifixo. Por amor ao seu marido, Yolanda foi forçada a retirar-se da Igreja. 

Primeira aparição em 12 de abril de 1947: Neste sábado, pelas 14 horas, Bruno levou seus filhos para brincarem no bosque perto da gruta de Tre Fontane, perto de Roma. Enquanto brincam, ele prepara um texto com a Biblia para provar que Nossa Senhora não foi elevada ao Céu nem é Imaculada. Os filhos param de brincar procurando a bola. De repente, as crianças começam a fixar o olhar na gruta dizendo ver uma bela Senhora. Bruno os chama, mas não respondem, apenas rezam. Ele vê que estão tendo uma visão e começa a rezar também dizendo: “Senhor, salva-nos!” De repente, Bruno também vê a bela Senhora. Ele a descreve: “É impossivel descrever a celestial Senhora. Nossa Senhora veio como uma mulher oriental, pele morena, escura. Em sua cabeça havia um manto verde da cor da grama dos prados na primavera, com os pés descalços, cabelos pretos divididos ao centro, como uma índia, vestido com mangas largas, brancas e longas, fechado no pescoço. A cintura é cercada por uma faixa cor-de-rosa, com duas abas que descem ao joelho. Ela tem a idade de uma jovem de 18 anos. A altura de um metro e sessenta e cinco. Estava, realmente, a Senhora bela na minha frente, pobre criatura, pobre pecador! Ela segurava um livro de cor cinza no peito que mantém em sua mão direita, que é a Bíblia, que é a Revelação Divina e, com o dedo indicador da mão esquerda, me mostra uma batina preta com um Crucifixo de madeira perto quebrado em várias partes, o Crucifixo que eu, voltando da Espanha tinha quebrado e jogado no lixo. Ela tinha uma doçura de Mãe com um pouco de tristeza disse: 
"Sou aquela que está na Trindade Divina. Sou a Virgem da Revelação. Você me persegue. Agora, basta! Volte para o Santo Redil, a Corte Celeste na Terra. Obedeça à Igreja. Obedeça a autoridade do Papa. A promessa de Deus é e permanece eterna e inalterada. As nove primeiras sextas-feiras ao Sagrado Coração de Jesus que fez incentivado amorosamente por sua fiel esposa antes de entrar no caminho da mentira, te salvaram. Seja forte na fé! Meu Corpo não se corrompeu, nem poderia se corromper. Meu Filho e os Anjos vieram a mim na hora do transe. Rezem o Terço diariamente pela conversão dos pecadores, dos incrédulos e pela unidade dos cristãos. Rezem o Terço! Pois as Ave Marias que vocês dizem com fé e amor são como flechas de ouro que atingem o Coração de Jesus. Prometo um grande e especial favor. Vou converter o mais obstinados com milagres que farei nesta terra de pecado. Venham com fé e serão curados no corpo e no espírito. Quero dar a prova absoluta da realidade divina com a qual se depara e, com isso, exclua qualquer outro motivo que não seja a verdadeira razão desse encontro. Este é o sinal: Cada vez que cumprimentar um padre na igreja ou na rua, lhe dirá: 'Padre, preciso falar com o senhor.’ Se ele responder: 'Ave Maria! Meu filho, o que desejas?', implora-lhe para que pare, pois ele é o sacerdote escolhido por Mim. Você lhe dirá o que seu coração ditar e lhe obedecerá. Na verdade, ele te guiará para um outro sacerdote, dizendo: 'Este é o padre ideal para você.' Depois, irá até o Santo Padre, o Supremo Pastor de todos os cristãos. Você dará pessoalmente a minha mensagem. Eu te mostrarei alguém que te levará até o Papa. Algumas pessoas do seu relacionamento não acreditarão em ti, mas não se incomodes com isto." 
Após a aparição, Bruno rezou a Ave Maria que não rezava há anos e tinha quase esquecido. Chorou, rezou e refletiu durante longo tempo. Chegando em casa, contou para a esposa e os dois se confessaram e se reconciliaram com a Igreja. Depois de vários dias de procura, encontrou finalmente um padre que disse o que Nossa Senhora preveu. 

Aparição de 6 de maio de 1947: Bruno Cornacchiola volta para a gruta e novamente, a Mãe da Igreja aparece sorrindo e materna. Ela não fala, mas mostra quão grande é sua alegria por sua conversão. 

Aparição de 23 de maio de 1947: Bruno reza na gruta com um padre e recebe um sinal de que aquele é o padre que deve acompanhá-lo ao papa. Nossa Senhora também lhe disse: "Obedeça e deixe este caminho que começou e caminhe na Igreja que é a verdade e assim encontrará paz e salvação. Fora da Igreja, fundada pelo meu Filho, há trevas e perdição. Volte à fonte pura do Evangelho, que é o verdadeiro caminho da fé e da santificação, o caminho da conversão. A ciência negará Deus e recusará os convites. A Igreja vai sofrer e ser perseguida.” 

Outra mensagens de Nossa Senhora: “Rezem para que seja feita a unidade de todos os cristãos na Igreja fundada pelo meu Filho e se formem um só rebanho e um só pastor com a Santidade, o Papa. O mal organizado aumentará no mundo. Nos eremitérios e mosteiros entrará a carcaça do mundo. Sejam fiéis e encontrarão a salvação na humildade, na paciência, na verdade, na Eucaristia, na Imaculada, que é dogma que a Igreja estabeleceu em minha direção, e na santidade do Pai, Pedro, o Papa. A Igreja será deixada viúva pelas perseguições. Muitos dos meus filhos sacerdotes, despojarão em espírito, e externamente no corpo, ou seja, desprezando os sinais externos do sacerdócio. As heresias aumentarão. Os erros vão entrar nos corações dos filhos da Igreja. Haverá confusões espirituais, confusões doutrinárias, escândalos, lutas na mesma igreja, tanto interno como externamente. Rezem e façam penitência. Amem-se e perdoem-se. Esta é a verdadeira ação, brilhante, cheia de caridade. É a mais bela penitência. O arrependimento mais eficaz é o amor. Haverá protestos, violência e modas que prederão o espírito de humanidade. A impureza aumentará em suas várias formas e a indiferença pelas coisas santas tomarão posse e avançarão na Igreja de meu Filho. Chamem-me de Mãe. Vocês me chamam Mãe porque eu sou Mãe. Sou sua Mãe e Mãe de puro Clero, Mãe do santo clero, Mãe dos sacerdotes fiéis, Mãe do clero unido, Mãe do clero fiel. Quem está dentro pela graça, não sai para fora. Pela graça, entrem! Não pequem! Não vão para a cama com o pecado mortal, porque as desgraças aumentarão.” 

Bruno passou toda a vida defendendo a Igreja Católica, a Eucaristia e a Virgem Maria. Ele faleceu santamente em 22 de junho de 2001, festa do Sagrado Coração de Jesus.

Cura com psicologia e terapia

Testemunho de uma pessoa doente: “Em 2014, uma pessoa de minha casa que era muito difícil e infantil piorou muito. Por coinciência, comecei a ter acidez estomacal, coisa que nunca tinha antes. Não podia tomar nem chás, nem sucos, nem sequer água de coco. Não podia ficar nem um dia sem remédios para acidez. O gastro me recomendou Pantoprazol durante 1 ano, prazo máximo permitido. Mesmo assim, a acidez não passou e eu teria que usar Omeprazol continuamente. Ele me disse que podia ser emocional. Resolvi observar em casa e fiz análises com psicóloga. Descobri o que eu não via e nem percebia. Essa pessoa difícil estava sempre se irritando comigo por causa do jeito sério que eu falava com ela devido ao cansaço desta doença. Ela interpretava meu jeito como ataque e secura, coisa que não era, e a irritava cada vez mais. Eu estava jogando lenha na fogueira. A psicóloga me deu dicas de dar indiretas para essa pessoa. Ao invés de dizer: “É muito feio o que você faz!” Eu dizia: “Ninguém acha isso bonito!” E por aí foi. Ela tinha atitudes erradas e ninguém nunca mostrou que ela errava. Mostrei tudo através de indiretas. E acreditem: essa pessoa mudou! Ela parou aquela infantilidade e imaturidade. Enxergou quase tudo. E eu também, pois um ditado diz: “Quando mais grossa é a pessoa, mais delicado você deve ser com ela.” E assim mudei também. E imediatamente, a acidez estomacal desapareceu, a partir do dia exato em que vi que eu também errava. Já faz quase 2 anos e nunca mais voltou. Posso tomar tudo ácido e chás, e meu estômago não azeda mais nada. Não precisei tomar mais nada para o estômago! É verdade que muitas pessoas são difíceis em casa, outras no emprego, mas às vezes erramos com elas também. Ninguém é perfeito. Todos erram. Todos podem mudar, mesmo que um pouco e não totalmente, mas podem mudar. Eu mudei e melhorei totalmente através da psicologia e de querer fazer a vontade de Deus que deseja o bem, a paz e o amor. Quem puder, procure um psicólogo para análise e terapia. Alguma dica como a mim poderá ajudar muito e a salvar um relacionamento, e até um casamento! Não somos deuses. Não sabemos tudo. Não vemos tudo. A vida é um eterno aprendizado. Aceitando a ajuda dos outros e fazendo a vontade de Deus, milagres podem acontecer!”

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Vida de Santa Gema Galgani

Santa Gema Galgani nasceu em 12 de março de 1878 e viveu Lucca, na Itália. Gema em italiano significa jóia. 
Infância: Seu pai era um farmacêutico, por isso é considerada Padroeira dos farmacêuticos. Seus pais eram muito fervorosos e tiveram 8 filhos. Sua mãe morreu de tuberculose quando ela tinha apenas 8 anos. Foi ela quem lhe ensinou sobre a fé e o amor a Jesus Crucificado. Gema estudou num colégio católico em Lucca, dirigido pelas Irmãs de Santa Zita. Ela era muito popular na escola, de personalidade forte, alegre e extrovertida. Sempre rezava muito antes das provas, por isso, é também uma das padroeiras dos estudantes. 
Primeira Comunhão: Gema começou a pedir as irmãs para lhe deixarem fazer sua Primeira Comunhão: “Dêem-me Jesus e verão o quanto eu serei boa. Eu vou mudar bastante. Não vou cometer mais nenhum pecado.” As irmãs contaram a Gema sobre a Paixão de Jesus. Ela chorou tanto e ficou tão comovida que adoeceu e ficou de febre e de cama o dia todo. Com 9 anos, o que era mais cedo que o costume, foi-lhe permitido receber sua Primeira Comunhão. Para isso, ela quis se preparar no convento por uns 10 dias antes. E escreveu ao pai dizendo: “Querido papai, estamos na véspera da minha Primeira Comunhão, dia para mim de infinita alegria. Peço perdão pelas minhas traquinices e desobediências e que esta tarde, esqueça tudo.” Ela assim descreveu sua Primeira Comunhão: “O que se passou entre mim e Jesus nesse dia, até hoje não sei explicar. Ele se fez sentir tão fortemente na minha alma. E tive o ardente desejo de que aquela união se mantivesse para sempre.” Gema se confessava freqüentemente. Ia à Missa todos os dias. De manhã, ela rapidamente se levantava da cama, se vestia, punha seu chapéu e ia ansiosa para a igreja. Durante a Missa, ficava muito atenta e dizia: "A Eucaristia é uma questão de unir os dois extremos. Deus é tudo e a criatura não é nada. Deus é luz e a criatura é treva. Deus é santidade e a criatura é pecado. Hoje eu recebi Jesus e agora o possuo inteiramente na minha alma miserável. Nesses momentos, o meu coração e o Coração de Jesus são um só. Ah, se eu pudesse fazer isso continuar assim para sempre!” 
Dificuldades na família: Seus familiares eram católicos, mas nem todos os irmãos eram tão fervorosos e se queixavam de ela rezar tanto durante o dia. Seu pai reclamou por Gema ir tanto à Missa. Ela respondeu: “Como posso ficar tanto tempo sem Jesus no coração? Quando estou com Jesus, sinto que nada me falta. O que me prejudica não é comungar, mas estar longe de Jesus!” Gema orou dizendo: “Jesus, eu quero te seguir custe o que custar. Faça-me sofrer, e sofrer muito.” 
Família na pobreza: O pai de Gema morreu de câncer em 1897 deixando muitas dívidas. Com isso, a farmácia e a casa foram hipotecadas. E os filhos foram deixados sem nenhuma herança, sem casa e não tinham nem mesmo meios de sobreviver. Gema e seus irmãos tiveram que ir morar de favor com os tios. Ela estava com 19 anos e começou a adoecer. 
Devoção aos Passionistas: Gema desenvolveu uma curvatura na espinha que lhe fazia sentir dores atrozes. Um médico foi chamado e tentou vários remédios, mas nada adiantou. Ela só piorava. Gema tornou-se devota do Venerável Gabriel de Nossa Senhora das Dores e da beata Margarida Alacoque, agora São Gabriel e Santa Margarida, canonizados mais tarde como ela. Vemos que os Santos rezavam aos outros Santos. Acamada pela doença, Gema leu a história da vida de Gabriel: “Eu comecei a admirar suas virtudes e seus hábitos. Minha devoção por ele crescia.” São Gabriel das Dores lhe apareceu e a curou milagrosamente. Ela sempre quis ser freira, mas não foi aceita nos conventos por causa de sua saúde debilitada. Mesmo assim, várias religiosas tinham contato com ela. Ela guardava imensamente a virtude da castidade: "Rezo todos os dias uma Ave Maria pedindo para que eu jamais caia em pecado contra a santa pureza."
Aparições do Anjo da Guarda: Deus tinha outros planos para Gema. Seu Anjo da Guarda começou a lhe aparecer freqüentemente: "Jesus não me deixou sozinha. Ele me deu meu Anjo da Guarda para ficar sempre comigo." Gema era uma jovem muito bonita, todos diziam isso. Um dia, ela saiu com um belo relógio de ouro. Quando voltou e começou a tirá-lo, viu seu Anjo da Guarda que disse muito seriamente: “Lembre-se de que os enfeites da noiva de Cristo são apenas os espinhos e a cruz.” E por amor de Jesus e para agradá-Lo, Gema não usou o relógio nunca mais, nem um anel que tinha no dedo. Seu Anjo da Guarda disse: "Jesus te ama muito. Ame-o também. Você gosta da Mãe de Jesus? Saúde-a muitas vezes. Pois ela valoriza muito essa atenção e infalivelmente retorna essas saudações oferecidas a Ela. E se você não sentir isso, saiba que ela faz uma prova de sua inabalável confiança." Gema perguntou ao Anjo por que tinha que ficar doente daquele jeito. Ele respondeu: "Se Jesus aflige o seu corpo, é sempre para purificar a sua alma. Seja boa.” Um dia, estavam falando mal de uma de pessoa na casa. Gema também queria falar, mas o Anjo lhe deu uma repreensão severa: “Se você não for boa, não vou te deixar me ver mais.” Um dia, o Anjo disse a ela na igreja: “É desse jeito que você fica na presença de Deus?” E ela conta: “Meu Anjo é um pouco severo, mas estou contente com isso. Durante os últimos dias, ele me corrigiu muito freqüentemente, umas 3 ou 4 vezes por dia.” Uma dia, Gema cometeu um erro e o Anjo lhe disse: "Você não tem vergonha de cometer essas falhas na minha presença?" Outro dia, seu Anjo da Guarda a olhou e disse: "Pobre menina... Como você é imperfeita! Como precisa dos outros para manter uma constante vigilância sobre você. Quanta paciência eu devo ter com você!” Um dia, Gema se deitou e o Anjo colocou a mão em sua cabeça dizendo: "Dorme, minha pobre criança..." Seu Anjo da Guarda falou sobre as Agonias de Cristo: “Olhe para o que Jesus sofreu pelo homem. Considere uma por uma destas Chagas. É o amor que abriu todas. Veja o quanto o pecado é terrível, já que para expiá-lo, tanta dor e tanto amor foram necessários.” O Anjo também aconselhou: “Lembre-se de que aquele que verdadeiramente ama Jesus, fala pouco e suporta muito. Eu lhe ordeno, em nome de Jesus, de nunca dar a sua opinião a menos que ela seja pedida. Nunca insista na sua opinião, mas fique em silêncio imediatamente. Quando tiver cometido algum erro, acuse a si mesma dele imediatamente sem esperar que outros o façam. Lembre-se de guardar os seus olhos. Considere que os olhos mortificados possuirão as belezas do Céu.” 
Aparições de Jesus e Nossa Senhora: Jesus e Maria também começaram a aparecer freqüentemente para Gema em 1899. Em 2 de março de 1899, Jesus lhe apareceu e disse: “Minha filha, eu me dou todo a você. Você não quer ser toda minha? Eu estarei sempre com você. Eu serei o seu Pai. E Nossa Senhora das Dores será a sua Mãe. Não se sente feliz por ser filha de Jesus e Maria?” Ela contou ao padre Germano, seu diretor espiritual: “Não há um minuto em que eu não sinta a doce presença de Jesus. Ele se revela cada vez mais amoroso. Hoje na Comunhão, Ele estava quase brincalhão.” Jesus Flagelado lhe apareceu com o Sangue caindo para todos os lados e lhe disse: “Minha filha, foi você que abriu estas Chagas com seus pecados. Mas agora, feche-as com suas dores. Ama-me como sempre te amei. Ama-me, ama-me, ama-me! Estou prestes a me unir a você. Apresse e venha todas as manhãs à Missa. Mas tome consciência de que sou um Esposo zeloso. Você não quererá também ser uma esposa fiel?” Gema disse: “Eu queria amá-lo até o sacrifício. Tinha um desejo ardente de sofrer alguma coisa por Ele que tanto tinha sofrido por mim. O que mais me fazia sofrer era não poder amar Jesus o quanto eu queria.” Jesus Crucificado lhe apareceu mostrando suas Chagas e disse: “Minha filha, olhe e aprende como se ama! Vê o quanto te amei? Aprende a sofrer. O sofrimento ensina a amar.” 
Devoção a Nossa Senhora: Gema rezava o Rosário todos os dias e tinha enorme devoção à Nossa Senhora: “Jesus nos deu uma boa Mãe. Eu a amo tanto! Confio a ela todas as angústias do meu coração. Não posso ficar sem a Mãe. Ela é tão bonita que as palavras não podem descrever. Quando Ela viu Jesus Crucificado, foi transpassada por espadas. A Mãe foi crucificada junto com seu Filho. E ela nunca reclamou. Pecadores, parem de crucificar Jesus, pois ao mesmo tempo, perfuram a Mãe.” 
Estigmas da Paixão no corpo: Em 8 de junho de 1899, depois de receber a Comunhão, Gema voltou para casa e começou a sentir um grande remorso por seus pecados. Nossa Senhora lhe apareceu e disse: “Meu Filho Jesus te ama sem medida e deseja te dar uma grande graça. Eu serei sua Mãe. Você será uma verdadeira filha?” A Santíssima Virgem abriu o seu manto e cobriu Gema com ele. Ela recebeu os estigmas, as Chagas de Jesus sobre seu corpo. Às vezes, no corpo de Gema apareciam as Chagas da Crucifixão, às vezes da Flagelação ou da Coroação de espinhos. Apareciam e depois cicatrizavam, sangravam e doíam muito, principalmente nas sextas-feiras e na quaresma. Jesus disse: “Minha filha, saiba que a poucos dei um gosto das minhas Dores como a você.” Ela nos conta: “Jesus já adquiriu o hábito de sempre me enviar uns presentinhos de dor todas as quintas e sextas-feiras. Desta vez, juntou algo mais precioso: fez-me sentir algumas chicotadas da flagelação. Foi muito doloroso. Estando nós a rezar para que Jesus fizesse desaparecer alguns sinais exteriores de minha carne, eis que Ele me surpreende com esse novo presente! Mas sei que isso não pode ser nada comparado às terríveis chicotadas do meu pobre Jesus.” 
Aceitando as cruzes: Gema nos ensina: “Se Jesus está pregado na Cruz, não reclamemos de ficar ao pé dela um pouco mais. Não vamos deixar Jesus sozinho no caminho do Calvário. Vamos acompanhá-lo, não apenas até o Calvário, mas até a Cruz, até a morte. Vamos até a Cruz e dizer: Santa Cruz, se pensarmos no amor infinito com que Jesus te abraçou, nunca mais fugiremos de você!” Ela conhecia as seguintes palavras de Jesus: “Sabe por que eu envio cruzes para as almas queridas por mim? Porque desejo possuir suas almas inteiramente. Por isso, eu as cerco com cruzes e as coloco nos sofrimentos e tribulações. Elas não podem escapar de minhas Mãos. Minha filha, se você não sente a cruz, também não pode ser chamada para uma cruz. Certifique-se de que sob a cruz você não será perdida. O demônio não tem força contra as almas que gemem por amor a mim numa cruz. Minha filha, quantos teriam me abandonado se não tivessem sido crucificados. A cruz é um dom precioso demais. E com a cruz vêem muitas virtudes." 
Normalidade: Gema era uma jovem muito normal nas aparências e sempre se dizia uma grande pecadora. Certa vez, um padre que não a conhecia direito disse coisas humilhantes sobre ela enquanto costurava. Ela ouviu tudo e concordou sem se sentir ofendida. Várias de suas tias e irmãos nem sequer perceberam que ela avançava no caminho da santidade. Ela escreveu para sua irmã: “Que te dei maus exemplos, que te ensinei coisas más, que te escandalizei, tudo isso sei perfeitamente! Já confessei e espero que tenha me perdoado. Entenda que se pecar, acontece até com os Santos. Mas obstinar-se no pecado já é obra de demônios.” 
Amor ardente a Jesus: Sempre que comungava, Gema dizia lindas frases a Jesus: “Jesus, concede-me a graça de sofrer. Desse modo, poderei dizer que te amo. Foi verdadeiramente o amor que te levou a morte. Jesus, me faça também morrer de amor por Ti.” Seus escritos e cartas com suas frases e orações tocaram multidões de pessoas no mundo inteiro. Ao contemplar um Crucifixo, disse: “Ó Jesus, deixe-me ir a Ti. Eu tenho sede do seu Sangue que dá vida!” 
Ótima empregada: Com 21 anos, Gema foi acolhida pela família Giannini e trabalhava ali como empregada. Eles tinham 11 filhos. Apesar de rezar muito, Gema nunca deixou de ajudar nas tarefas da casa cuidando das crianças, arrumando a casa, lavando, cozinhando e costurando. Socorria os pobres e perguntava se iam à Missa e se pensavam no que Jesus sofreu por nós. Gemma se tornou muito querida por todos os Giannini e a consideravam como um novo membro da família.
Simplicidade nas roupas: Ela se vestia de maneira tão simples que as outras jovens da cidade riam dela. Usava somente vestidos pretos de lã e capa da mesma cor. Seu chapéu preto de palha era sem nenhum enfeite, nem sequer uma flor. Todos os parentes insistiam para que ela colocasse vestidos mais bonitos, mas ela não usava mais. Queria ficar simples como se fosse uma freira. Num inverno, deu seu único casaco para uma pobre tremendo de frio e disse: “Reze para Jesus me aquecer com o fogo do seu amor.”
Heróica nas tentações: Gema mortificava seu paladar e dormia sobre um estrado sem colchão como penitência pelas almas do Purgatório. Um dia, o diabo apareceu-lhe bufando de raiva e ameaçou fazê-la cair em tentação contra a pureza. Gema fez o Sinal da Cruz e pulou dentro de um poço no jardim. A água estava gelada e ela saiu tremendo de frio. 
Vítima de reparação pelos pecadores: No carnaval de fevereiro de 1900, Jesus lhe disse: “Filha, eu também não posso mais sofrer as ofensas que me fazem. Durante estes dias se cometem muitos pecados e já não posso mais suportá-los. Você com seus sofrimentos, procure deter a ira de meu Pai, para que não caia sobre os pecadores. Não desejará fazer isso de boa vontade?” Gema respondeu: “Sim, mas tenho medo de não ser capaz.” Jesus lhe respondeu: “Não tenha medo. Eu vou te fazer sofrer, mas lhe darei a força para suportar." 
Doente de tuberculose: Gema estava com boa saúde, mas começou a sofrer cada vez mais com a tuberculose e seus terríveis sintomas: tosse, febre, vômitos e dores nos pulmões. Gema oferecia todos esses sofrimentos pelos pecadores e dizia: “Sou vítima de Jesus Crucificado.” Ele explicou: “Minha filha, eu preciso de vítimas, vítimas fortes para abrandar a ira do meu Divino Pai. Eu preciso de almas que, por seus sofrimentos, provações e sacrifícios, façam reparações pelos pecadores e pela sua ingratidão. Oh, se eu pudesse fazer todos compreenderem como está a ira do meu Pai com este mundo malvado!” Gema conta: “Tenho que pensar somente nos pecadores. As vítimas devem ser inocentes e eu não tenho nada de inocente. Seja qual for o sofrimento que me mandar, nada recusarei.” Gema disse para Jesus fazer o quisesse: "Eu te enviei esta cruz. Você não a aprecia. Ela é contrária ao seu desejo. Mas quanto mais ela é contrária, mais ela é como a minha Cruz. Quando eu ser o seu Esposo, voltarei a você, mas Crucificado. Mostre seu amor por mim pelo sofrimento, dores e cruzes incontáveis. Você deve, portanto, se considerar honrada se eu te levar por caminhos difíceis e dolorosos, se eu permitir que seja atormentada pelo demônio, se o mundo te desprezar, se as pessoas mais queridas te afligirem e com o martírio diário, eu permitir que sua alma seja purificada e testada. E você, minha filha, só pense em praticar as grandes virtudes. Corra humilhada no caminho da Vontade Divina. Asseguro que se eu te pregar na Cruz, vou te amar.” Gema ficou seus últimos meses de cama. Era tentada terrivelmente pelo demônio, mas clamava incessantemente os Santos Nomes de Jesus e Maria. Estava muito magra, mas continuava com o rosto muito bonito. Jesus a alertou: "Seu sofrimento deve aumentar consideravelmente e uma nova vida deve começar por você. Eu te dou meu cálice de amargura. Você pode bebê-lo até a última gota.” Quando se admiravam dos seus sofrimentos, ela dizia: “Com a ajuda de Jesus, ainda posso um pouco mais.” Disse para a irmã que foi visitá-la na doença: “Todos temos uma alma para salvar. Lembre-se de que temos que passar por momentos como este e você também. Eu rezarei por você. Procure ser boa e reze por mim.”   
Morte serena: Gema disse à tia: "Eu pedi a Jesus que me deixasse morrer em dia de grande solenidade. Que coisa maravilhosa morrer em uma grande festa!” Em 10 de abril de 1903, Sexta-feira da Paixão, Gema pede à senhora Giannini: “Não me abandone até eu ficar cravada na Cruz. Eu tenho que ser crucificada com Jesus. Pois Jesus sempre me disse que todos os seus filhos bons devem morrer crucificados.” Recebeu a Confissão e Comunhão dizendo: “Eu não procuro mais nada. Sacrifiquei tudo e todos a Deus. Agora eu me preparo para morrer.” No Sábado Santo, dia 11 de Abril de 1903, pega no Crucifixo e diz: “Jesus, não posso mais. Se for a sua vontade, me leve para junto de Ti.” Momentos antes de morrer, Gema olhou para um quadro de Nossa Senhora na parede e disse: “Minha Mãe querida, eu te entrego a minha pobre alma. Peça a Jesus que tenha misericórdia de mim.” Gema beijou o Crucifixo que segurava nas mãos. Colocou-o no peito e mantendo as mãos sobre ele, fechou os olhos e permaneceu em oração. De repente, ela sorriu um sorriso lindo, inclinou a cabeça para um lado e morreu com apenas 25 anos. Nenhum dos presentes percebeu que ela morreu e custaram a acreditar nisso, pois pareceu apenas adormecer. Ela morreu no Sábado Santo, depois de passar a Sexta-feira da Paixão com Jesus. Uma das irmãs presentes vestiu o corpo de Gema com o hábito dos Passionistas, a ordem à qual Gema sempre desejou entrar.
Canonização: A vida de Santa Gema é um exemplo de adoração a Deus e amor ao Crucificado. Ela não se tornou freira passionista como queria, mas seu exemplo cativa multidões no mundo inteiro até hoje, leigos, religiosos e sacerdotes. Com muitas curas por sua intercessão, Santa Gema Galgani foi beatificada em 1933 e canonizada em 2 de março de 1940 na presença de várias pessoas que conviveram com ela. Santa Gema Galgani, rogai por nós!

Cinco pedrinhas para vencer o maligno

Lemos na Bíblia, no livro de I Samuel, 17, 1-58, que Davi matou o inimigo gigante Golias com pedradas. Nossa Senhora diz também que venceremos satanás, o nosso maior inimigo, com “Cinco Pedrinhas” que são o Rosário, a Eucaristia, a Palavra de Deus, o jejum e a Confissão mensal. Ela disse isso nas aparições de Medjugorje, cujo convite e imagem das "cinco pedrinhas" se espalhou pelo mundo inteiro. Nossas Senhora disse também nas aparições de Divinópolis, Brasil, na mensagem a seguir: 

Mensagem de 27/10/2001 – “Vocês precisam de Deus e de mim, que sou a sua Mãe, a Mãe de cada um, a Mãe que tem o tirano debaixo de seus pés e que lhe esmaga a cabeça infernal. Saibam, meus filhos, que o demônio é poderoso e que ele trabalha sem cessar neste mundo, dia e noite sem cessar. Ele não pára um minuto, não descansa nem tira férias enquanto não ver muitas almas no inferno. Tomem cuidado, meus filhos! Satanás está aí neste mundo, querendo entrar em suas casas, cidades e países atormentando e joeirando o seu veneno. Ele tenta a cada um das mais variadas formas possíveis. Enquanto vocês não rezarem, essas tentações que vêm até vocês não irão embora, pois satanás é como um ladrão que não está nem aí com a pessoa de quem roubou. Satanás deseja a sua desgraça, morte e tristeza. E Deus já é bem o contrário, Ele quer vida, paz, amor e alegria. Meus filhinhos queridos, o amor pode tudo e com o amor vocês poderão enfrentar satanás com toda a fé que em Deus e em mim tiverem. Para que isso aconteça logo, eu lhes dou as “Cinco pedrinhas” , as “Cinco armas” para atirarem no demônio, desde que cumpram com firme propósito. 
A primeira é o Rosário. Com o Rosário na mão o diabo não se aproxima mais de vocês, porque daí em diante vocês serão todos meus e de Deus. 
A segunda é a Eucaristia. Com ela o próprio Cristo atua na vida de vocês e no seu comportamento desde que desejem, fazendo assim, um comportamento contrário ao de satanás. 
A terceira é a Palavra de Deus. Nela está escrito tudo, tudo o que desejarem saber sobre Deus e como resolver algum problema, saibam que é nela que acharão a solução. O demônio, a partir disso, não poderá mais a aconselhá-los mal. Terá que ir embora para sempre da vida de quem lê a Bíblia, guarda e medita pondo-a em prática. 
A quarta é o Jejum. Com ele saberão que há uma nova vida que lhes aguarda na eternidade das delícias do Céu e desapegando das falsas delícias deste mundo. O jejum é a oração do corpo junto à da alma. Jejuem à pão e água, mas se não puderem, façam o jejum da Igreja, ou abstenham-se de carne, doces, comidas, bem como de coisas que gostam como cigarros, bebidas, televisão e tudo o que lhes dá prazer. Abstenham-se disso ao menos uma vez por semana, principalmente na sexta ou quarta-feira. Rezem, meus filhos, para que possam fazer tudo isso, senão o demônio será mais forte que vocês e nunca conseguirão vencê-lo. 
A quinta é a Confissão mensal e é ela que eu peço e suplico: confessem-se ao menos uma vez a cada mês e serão puros e puras, assim, satanás não poderá mais vencê-los. Mas eu lhes digo: a qualquer sinal de queda, ele tenta se intrometer em suas vidas sem ser chamado e começa a fazer delas uma grande bagunça e destruição. Rezem, comunguem, meditem a Palavra de Deus, confessem-se e jejuem. Peçam todos perdão de joelhos de seus pecados e rezem, rezem muito, pois só assim satanás irá embora.”

domingo, 30 de abril de 2017

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Cruz de Todos os Povos

Está sendo construída no Brasil a terceira Cruz de Todos os Povos. Este bonito projeto se refere a construções de grandes cruzes sobre altos montes. Elas trazem a importante mensagem da fraternidade universal, da grande família de Deus, da desejada aliança dos homens com seu único amor: Deus. Nossa responsabilidade com isso é a unidade! As construções das Cruzes de Todos os Povos são aprovadas pela Igreja Católica e tiveram a bênção apostólica do Papa Bento XVI, do padre Gobbi do Movimento Sacerdotal Mariano, do Padre Jozo Zovko de Medjugorje, e muitos outros. A primeira Cruz de Todos os Povos foi construída no Líbano. É uma grande cruz luminosa de 73, 80m sobre o Monte Sannine, justamente no Líbano, próximo a Terra Santa, Libano que é mencionado várias vezes nos Salmos e Profetas. A segunda foi construída no México e terceira será construída em Divinópolis, MG, Brasil, chamada Cruz do Espírito Santo. Divinópolis significa Cidade do Divino. Esperamos que muitas outras sejam construídas no mundo inteiro. São Luis de Montfort promoveu a construção de muitas cruzes sobre montes nas cidades onde passou. Santa Margarida Alacoque comunicou pedidos de Jesus ao Rei da França, que nunca os atendeu nem se concretizaram. A construção de outras cruzes foi pedida em vários lugares de diferentes maneiras, mas não se concretizaram. Inclusive, em 1848, com Santa Catarina Labouré. Ela comunicou ao seu diretor espiritual dizendo que Deus lhe pedia a construção de uma grande cruz em Paris para servir de pára-raios espiritual. Ela escreveu: 
“Essa cruz se chamará Cruz da Vitória. De toda a França, das regiões mais distantes e até do exterior virá gente devota, outros em peregrinação, outros por curiosidade. Haverá proteções espirituais, de caráter milagroso. É a terceira vez que lhe peço a construção desta Cruz depois te ter consultado o Bom Deus, a Virgem Santíssima e nosso bom Pai São Vicente.” 
As construções da Cruz de todos os Povos se concretizaram e talvez sirvam para compensar as que não aconteceram. 

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Aparições do Anjo em Fátima

Em Fátima, um Anjo apareceu três vezes aos 3 pastorinhos em 1916, um ano antes das aparições de Nossa Senhora em 1917. Ele se identificou como Anjo da Paz e ensinou importantes orações e recados sobre a Eucaristia e os sacrifícios. Rezar as orações que ensinou já é uma das maneiras de se praticar a mensagem de Fátima. É notável a maneira como o Anjo se ajoelhou e se curvou totalmente diante do Santíssimo Sacramento, uma importante lição para nós. Veja o relato contado pela irmã Lúcia: 

Primeira aparição: ‘Andava eu com os meus primos Francisco e Jacinta a cuidar do rebanho e subimos a encosta em procura dum abrigo a que chamávamos a "Loca do Cabeço". Depois de aí merendar e rezar, alguns momentos havia que jogávamos e eis que um vento sacode as árvores e faz-nos levantar a vista para ver o que se passava, pois o dia estava sereno. Então começámos a ver, a alguma distância, sobre as árvores que se estendiam em direcção ao nascente, uma luz mais branca que a neve, com a forma dum jovem, transparente, mais brilhante que um cristal atravessado pelos raios do Sol. À medida que se aproximava, íamos-lhe distinguindo as feições. Estávamos surpreendidos e meios absortos. Não dizíamos palavra. Ao chegar junto de nós, disse:  
'Não temais. Sou o Anjo da Paz. Orai comigo.’ 
E ajoelhando em terra, curvou a fronte até ao chão. Levados por um movimento sobrenatural, imitámo-lo e repetimos as palavras que lhe ouvimos pronunciar: 
‘Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam.’ 
Depois de repetir isto três vezes, ergueu-se e disse: ‘Orai assim. Os Corações de Jesus e Maria estão atentos à voz das vossas súplicas.’  
E desapareceu. A atmosfera do sobrenatural que nos envolveu era tão intensa, que quase não nos dávamos conta da própria existência, por um grande espaço de tempo, permanecendo na posição em que nos tinha deixado, repetindo sempre a mesma oração. A presença de Deus sentia-se tão intensa e íntima que nem mesmo entre nós nos atrevíamos a falar. No dia seguinte, sentíamos o espírito ainda envolvido por essa atmosfera que só muito lentamente foi desaparecendo. Nesta aparição, nenhum pensou em falar nem em recomendar o segredo. Ela de si o impôs. Era tão íntima que não era fácil pronunciar sobre ela a menor palavra. Fez-nos, talvez, também maior impressão, por ser a primeira assim manifesta." 

Segunda aparição: “Fomos, pois passar as horas da sesta à sombra das árvores que cercavam o poço já várias vezes mencionado. De repente, vimos o mesmo Anjo junto de nós:
‘Que fazeis? Orai! Orai muito! Os Corações de Jesus e Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia. Oferecei constantemente ao Altíssimo orações e sacrifícios.’ 
‘Como nos havemos de sacrificar?’ 
‘De tudo que puderdes, oferecei um sacrifício em acto de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores. Atraí, assim, sobre a vossa Pátria, a paz. Eu sou o Anjo da sua guarda, o Anjo de Portugal. Sobretudo, aceitai e suportai com submissão o sofrimento que o Senhor vos enviar.’ 
 E desapareceu. Estas palavras do Anjo gravaram-se em nosso espírito, como uma luz que nos fazia compreender quem era Deus, como nos amava e queria ser amado, o valor do sacrifício e como Ele Lhe era agradável, como, por atenção a Ele, convertia os pecadores. Por isso, desde esse momento, começamos a oferecer ao Senhor tudo que nos mortificava, mas sem discorrermos a procurar outras mortificações ou penitências, excepto a de passarmos horas seguidas prostrados por terra, repetindo a oração que o Anjo nos tinha ensinado." 

Terceira aparição: A terceira aparição ocorreu no fim do Verão ou princípio de Outono de 1916, novamente na "Loca do Cabeço", como descreve Lúcia: "Rezámos aí o terço e a oração que na primeira aparição nos tinha ensinado. Estando, pois, aí, apareceu-nos pela terceira vez, trazendo na mão um cálice e sobre ele uma Hóstia, da qual caíam, dentro do cálix, algumas gotas de sangue. Deixando o cálice e a Hóstia suspensos no ar, prostrou-se em terra e repetiu três vezes a oração:  
‘Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.’ 
Depois, levantando-se, tomou de novo na mão o cálice e a Hóstia e deu-me a Hóstia a mim e o que continha o cálice deu-o a beber à Jacinta e ao Francisco, dizendo, ao mesmo tempo: 
‘Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolei o vosso Deus.’ 
De novo se prostrou em terra e repetiu connosco mais três vezes a mesma oração: ‘Santíssima Trindade… etc.’ E desapareceu. Levados pela força do sobrenatural que nos envolvia, imitávamos o Anjo em tudo, isto é, prostrando-nos como Ele e repetindo as orações que Ele dizia. A força da presença de Deus era tão intensa que nos absorvia e aniquilava quase por completo. Parecia privar-nos até do uso dos sentidos corporais por um grande espaço de tempo. Nesses dias, fazíamos as ações materiais como que levados por esse mesmo ser sobrenatural que a isso nos impelia. A paz e felicidade que sentíamos era grande, mas só íntima, completamente concentrada a alma em Deus. O abatimento físico, que nos prostrava, também era grande."

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

A paroquiana e o pleno amor

Uma paroquiana tinha um agradável ensaio de coral para ir na igreja com suas amigas. Porém, uma enferma do bairro precisou de cuidados naquela mesma hora e não tinha quem a substituísse. A paroquiana, então, não pensou em si mesma nem em seu próprio prazer. Deixou de ir ao ensaio onde gostaria, mas que outras poderiam substituí-la e foi ajudar a doente naquela noite. Vemos aí o verdadeiro e completo amor: deixar de fazer o que lhe dá prazer para fazer a vontade de Deus. Tantas vezes agimos com egoísmo fazendo somente atividades que são do nosso gosto e deixando outras mais urgentes. A vontade de Deus é que ajudemos primeiro as obras e pessoas mais necessitadas.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Aparição do Anjo em Cuapa, Nicarágua

Nas aparições de Nossa Senhora em Cuapa, Nicarágua, uma delas foi a aparição do Anjo em 8 de julho de 1980. Essa aparição ajudou a confirmar a autenticidade das aparições pelos fatos ditos pelo Anjo terem acontecido. Um dos detalhes que podemos tirar é a riqueza de detalhes e a gentileza do Anjo nos problemas comuns de alguns moradores de Cuapa naquele ano. O vidente Bernardo Martinez conta: 

"Enquanto dormia, tive um sonho. Havia um rapaz de Cuapa que estava preso. Sua irmã me pediu para que intercedesse por ele porque não podia falar com ele sozinha quando o visitava na prisão. No sonho, eu me ajoelhei e ergui as mãos rezando pelo rapaz. Quando baixei os olhos e olhei para as rochas onde a Virgem Santíssima havia aparecido, vi um Anjo. Ele estava vestido com uma longa túnica branca. Ele era alto e muito jovem. Seu corpo parecia banhado em luz. Tinha o físico de um homem. Não tinha adornos, manto, nem coroa. Simples, mas bonito. Seus pés não estavam sobre uma nuvem. Estava descalço. Ele tinha um comportamento amigável, gentil e grande serenidade. Ouvi o Anjo me dizer: "Sua oração foi ouvida. Vá e diga à irmã do prisioneiro para ir e consolá-lo no domingo, porque ele está muito triste. É para ela aconselhá-lo a não assinar um documento, pois irão pressioná-lo a assinar um papel no qual ele assume responsabilidade por uma soma de dinheiro. Ele é inocente. Diga que ela não deve se preocupar, que poderá falar com ele sozinha por um longo tempo. Que ela será tratada de maneira amigável. Diga para ir segunda-feira no quartel-general da polícia de Juigalpa para completar todos os passos para sua libertação porque ele será solto naquele dia. Diga para pegar 1.000 córdobas porque estabelecerão uma fiança.” A prima Zelaya queria saber como resolver o vício do alcoolismo com seu pai e seu irmão, porque os problemas resultantes em casa eram causados pela violência deles quando bebiam muito. Ela também queria saber o que podia fazer com seus problemas no trabalho como professora. Ela não queria perder o emprego, mas parecia que pouco a pouco, faziam com que negasse sua fé. O Anjo me respondeu dizendo: "As pessoas ao redor deles devem ser pacientes com eles e não devem reclamar quando estiverem inebriados. Vá e diga a eles para pararem com o vício, para fazê-lo pouco a pouco e que desse modo o desejo os deixará. Avise seu primo, pois irão assaltá-lo, baleá-lo no pé, ferindo seu calcanhar esquerdo, e que mais tarde irão matá-lo.” Ouvindo isso, disse ao Anjo: "Essa sentença sobre meu primo não pode ser revogada pela oração de vários Terços?" Ele respondeu: "Não. Será assim que ele morrerá, mas se ele ouvir seu conselho, sua vida pode ser prolongada. Sua prima não deve ter medo. Deve ficar firme como está. Não deve deixar seu emprego porque como professora que tem fé em Nosso Senhor, ela pode fazer muito bem às pessoas. Não vire as costas aos problemas e não amaldiçoe ninguém.” E desapareceu. Contei à Sra. Socorro no dia seguinte. Ela me perguntou como isso poderia ser se ela não podia falar com ele sozinha. Rezamos juntos o Terço pelo irmão dela que estava preso. Fomos vê-lo no domingo, 13 de julho. Ela ficou na cadeia sozinha com ele por muito tempo, e por causa disso ela pôde lhe dizer para não assinar o documento. Todos foram gentis com ela. Quando retornou a Cuapa, no mesmo domingo à tarde, ela pediu um empréstimo de 1.000 córdobas de um homem que nunca empresta nada sem impor alguma coisa. Ele emprestou o dinheiro a ela. Apresentaram o documento para o rapaz, mas ele se recusou a assinar. Libertaram o irmão e estabeleceram uma fiança de 1.000 córdobas. Ela lhes disse que era pobre e que poderiam baixar um pouco a fiança, e reduziram a 200 córdobas. Tudo foi cumprido. Logo saíram e voltaram a Cuapa, e vieram à minha casa para expressar sua gratidão. Sugeri a eles que viessem rezar o Terço. Ele saiu da cadeia na segunda-feira, 14 de julho, e no dia seguinte fui à prima Zelaya para lhes dizer sobre a mensagem recebida. Falei aos três. Ela acreditou em mim e me disse que poderia continuar trabalhando como professora. Meu tio escutou e me prometeu que tentaria deixar o vício pouco a pouco. Depois fui a cavalo diretamente para o rancho de meu primo que foi libertado, mas ele não acreditou em mim. Voltei para casa triste e rezei o Terço por ele. Poucos dias depois ouvi dizer que ele havia sido roubado e sua casa invadida. Retornei a Zelaya para lhe aconselhar e dizer para vender seu rancho e voltar a Cuapa. Assim, ele evitaria aqueles incidentes. Eu lhe falei sobre o roubo. Roubaram duas mulas dele. Eu lhe falei sobre um assalto. Eles arrombaram a porta uma noite e o roubaram de novo. Eu lhe disse que seu calcanhar esquerdo seria ferido. E assim foi. Durante esta segunda visita a Zelaya, ele mesmo me mostrou o ferimento, mas não acreditou. Disse que foi coincidência. Novamente voltei a Cuapa me sentindo triste. Desconsolado! Rezei o Terço por ele. Dois meses e um dia mais tarde, isto é, dia 9 de setembro de 1980, a cunhada dele que mora em Cuapa e que não acreditava em nada do que eu dizia, recebeu um telegrama avisando-a de que meu primo havia sido encontrado morto. Tudo aconteceu exatamente como o Anjo avisou.

domingo, 22 de janeiro de 2017

Aparição do Arcanjo São Rafael na Espanha

São Rafael Arcanjo é o protetor da cidade de Córdoba, Espanha. Ele apareceu várias vezes ao padre Roelas em 1578. A cidade passava por grande epidemia e muitas pessoas morriam. Em 7 de maio, São Rafael apareceu e disse: "Eu te juro, por Jesus Crucificado, que sou Rafael, Anjo a quem Deus colocou por guarda desta cidade.” Depois disso, as pessoas não morreram mais de peste. Em 1575, foram descobertas muitas relíquias de mártires na Basílica Menor de São Pedro. Elas estavam agrupadas em uma fossa comum. São Rafael apareceu e disse que eram de mártires cristãos. Em 1583, durante o Concilio de Toledo, foi comprovado que eram realmente autênticas.