segunda-feira, 5 de junho de 2017

Vida de Santa Gema Galgani

Santa Gema Galgani nasceu em 12 de março de 1878 e viveu Lucca, na Itália. Gema em italiano significa jóia. 
Infância: Seu pai era um farmacêutico, por isso é considerada Padroeira dos farmacêuticos. Seus pais eram muito fervorosos e tiveram 8 filhos. Sua mãe morreu de tuberculose quando ela tinha apenas 8 anos. Foi ela quem lhe ensinou sobre a fé e o amor a Jesus Crucificado. Gema estudou num colégio católico em Lucca, dirigido pelas Irmãs de Santa Zita. Ela era muito popular na escola, de personalidade forte, alegre e extrovertida. Sempre rezava muito antes das provas, por isso, é também uma das padroeiras dos estudantes. 
Primeira Comunhão: Gema começou a pedir as irmãs para lhe deixarem fazer sua Primeira Comunhão: “Dêem-me Jesus e verão o quanto eu serei boa. Eu vou mudar bastante. Não vou cometer mais nenhum pecado.” As irmãs contaram a Gema sobre a Paixão de Jesus. Ela chorou tanto e ficou tão comovida que adoeceu e ficou de febre e de cama o dia todo. Com 9 anos, o que era mais cedo que o costume, foi-lhe permitido receber sua Primeira Comunhão. Para isso, ela quis se preparar no convento por uns 10 dias antes. E escreveu ao pai dizendo: “Querido papai, estamos na véspera da minha Primeira Comunhão, dia para mim de infinita alegria. Peço perdão pelas minhas traquinices e desobediências e que esta tarde, esqueça tudo.” Ela assim descreveu sua Primeira Comunhão: “O que se passou entre mim e Jesus nesse dia, até hoje não sei explicar. Ele se fez sentir tão fortemente na minha alma. E tive o ardente desejo de que aquela união se mantivesse para sempre.” Gema se confessava freqüentemente. Ia à Missa todos os dias. De manhã, ela rapidamente se levantava da cama, se vestia, punha seu chapéu e ia ansiosa para a igreja. Durante a Missa, ficava muito atenta e dizia: "A Eucaristia é uma questão de unir os dois extremos. Deus é tudo e a criatura não é nada. Deus é luz e a criatura é treva. Deus é santidade e a criatura é pecado. Hoje eu recebi Jesus e agora o possuo inteiramente na minha alma miserável. Nesses momentos, o meu coração e o Coração de Jesus são um só. Ah, se eu pudesse fazer isso continuar assim para sempre!” 
Dificuldades na família: Seus familiares eram católicos, mas nem todos os irmãos eram tão fervorosos e se queixavam de ela rezar tanto durante o dia. Seu pai reclamou por Gema ir tanto à Missa. Ela respondeu: “Como posso ficar tanto tempo sem Jesus no coração? Quando estou com Jesus, sinto que nada me falta. O que me prejudica não é comungar, mas estar longe de Jesus!” Gema orou dizendo: “Jesus, eu quero te seguir custe o que custar. Faça-me sofrer, e sofrer muito.” 
Família na pobreza: O pai de Gema morreu de câncer em 1897 deixando muitas dívidas. Com isso, a farmácia e a casa foram hipotecadas. E os filhos foram deixados sem nenhuma herança, sem casa e não tinham nem mesmo meios de sobreviver. Gema e seus irmãos tiveram que ir morar de favor com os tios. Ela estava com 19 anos e começou a adoecer. 
Devoção aos Passionistas: Gema desenvolveu uma curvatura na espinha que lhe fazia sentir dores atrozes. Um médico foi chamado e tentou vários remédios, mas nada adiantou. Ela só piorava. Gema tornou-se devota do Venerável Gabriel de Nossa Senhora das Dores e da beata Margarida Alacoque, agora São Gabriel e Santa Margarida, canonizados mais tarde como ela. Vemos que os Santos rezavam aos outros Santos. Acamada pela doença, Gema leu a história da vida de Gabriel: “Eu comecei a admirar suas virtudes e seus hábitos. Minha devoção por ele crescia.” São Gabriel das Dores lhe apareceu e a curou milagrosamente. Ela sempre quis ser freira, mas não foi aceita nos conventos por causa de sua saúde debilitada. Mesmo assim, várias religiosas tinham contato com ela. Ela guardava imensamente a virtude da castidade: "Rezo todos os dias uma Ave Maria pedindo para que eu jamais caia em pecado contra a santa pureza."
Aparições do Anjo da Guarda: Deus tinha outros planos para Gema. Seu Anjo da Guarda começou a lhe aparecer freqüentemente: "Jesus não me deixou sozinha. Ele me deu meu Anjo da Guarda para ficar sempre comigo." Gema era uma jovem muito bonita, todos diziam isso. Um dia, ela saiu com um belo relógio de ouro. Quando voltou e começou a tirá-lo, viu seu Anjo da Guarda que disse muito seriamente: “Lembre-se de que os enfeites da noiva de Cristo são apenas os espinhos e a cruz.” E por amor de Jesus e para agradá-Lo, Gema não usou o relógio nunca mais, nem um anel que tinha no dedo. Seu Anjo da Guarda disse: "Jesus te ama muito. Ame-o também. Você gosta da Mãe de Jesus? Saúde-a muitas vezes. Pois ela valoriza muito essa atenção e infalivelmente retorna essas saudações oferecidas a Ela. E se você não sentir isso, saiba que ela faz uma prova de sua inabalável confiança." Gema perguntou ao Anjo por que tinha que ficar doente daquele jeito. Ele respondeu: "Se Jesus aflige o seu corpo, é sempre para purificar a sua alma. Seja boa.” Um dia, estavam falando mal de uma de pessoa na casa. Gema também queria falar, mas o Anjo lhe deu uma repreensão severa: “Se você não for boa, não vou te deixar me ver mais.” Um dia, o Anjo disse a ela na igreja: “É desse jeito que você fica na presença de Deus?” E ela conta: “Meu Anjo é um pouco severo, mas estou contente com isso. Durante os últimos dias, ele me corrigiu muito freqüentemente, umas 3 ou 4 vezes por dia.” Uma dia, Gema cometeu um erro e o Anjo lhe disse: "Você não tem vergonha de cometer essas falhas na minha presença?" Outro dia, seu Anjo da Guarda a olhou e disse: "Pobre menina... Como você é imperfeita! Como precisa dos outros para manter uma constante vigilância sobre você. Quanta paciência eu devo ter com você!” Um dia, Gema se deitou e o Anjo colocou a mão em sua cabeça dizendo: "Dorme, minha pobre criança..." Seu Anjo da Guarda falou sobre as Agonias de Cristo: “Olhe para o que Jesus sofreu pelo homem. Considere uma por uma destas Chagas. É o amor que abriu todas. Veja o quanto o pecado é terrível, já que para expiá-lo, tanta dor e tanto amor foram necessários.” O Anjo também aconselhou: “Lembre-se de que aquele que verdadeiramente ama Jesus, fala pouco e suporta muito. Eu lhe ordeno, em nome de Jesus, de nunca dar a sua opinião a menos que ela seja pedida. Nunca insista na sua opinião, mas fique em silêncio imediatamente. Quando tiver cometido algum erro, acuse a si mesma dele imediatamente sem esperar que outros o façam. Lembre-se de guardar os seus olhos. Considere que os olhos mortificados possuirão as belezas do Céu.” 
Aparições de Jesus e Nossa Senhora: Jesus e Maria também começaram a aparecer freqüentemente para Gema em 1899. Em 2 de março de 1899, Jesus lhe apareceu e disse: “Minha filha, eu me dou todo a você. Você não quer ser toda minha? Eu estarei sempre com você. Eu serei o seu Pai. E Nossa Senhora das Dores será a sua Mãe. Não se sente feliz por ser filha de Jesus e Maria?” Ela contou ao padre Germano, seu diretor espiritual: “Não há um minuto em que eu não sinta a doce presença de Jesus. Ele se revela cada vez mais amoroso. Hoje na Comunhão, Ele estava quase brincalhão.” Jesus Flagelado lhe apareceu com o Sangue caindo para todos os lados e lhe disse: “Minha filha, foi você que abriu estas Chagas com seus pecados. Mas agora, feche-as com suas dores. Ama-me como sempre te amei. Ama-me, ama-me, ama-me! Estou prestes a me unir a você. Apresse e venha todas as manhãs à Missa. Mas tome consciência de que sou um Esposo zeloso. Você não quererá também ser uma esposa fiel?” Gema disse: “Eu queria amá-lo até o sacrifício. Tinha um desejo ardente de sofrer alguma coisa por Ele que tanto tinha sofrido por mim. O que mais me fazia sofrer era não poder amar Jesus o quanto eu queria.” Jesus Crucificado lhe apareceu mostrando suas Chagas e disse: “Minha filha, olhe e aprende como se ama! Vê o quanto te amei? Aprende a sofrer. O sofrimento ensina a amar.” 
Devoção a Nossa Senhora: Gema rezava o Rosário todos os dias e tinha enorme devoção à Nossa Senhora: “Jesus nos deu uma boa Mãe. Eu a amo tanto! Confio a ela todas as angústias do meu coração. Não posso ficar sem a Mãe. Ela é tão bonita que as palavras não podem descrever. Quando Ela viu Jesus Crucificado, foi transpassada por espadas. A Mãe foi crucificada junto com seu Filho. E ela nunca reclamou. Pecadores, parem de crucificar Jesus, pois ao mesmo tempo, perfuram a Mãe.” 
Estigmas da Paixão no corpo: Em 8 de junho de 1899, depois de receber a Comunhão, Gema voltou para casa e começou a sentir um grande remorso por seus pecados. Nossa Senhora lhe apareceu e disse: “Meu Filho Jesus te ama sem medida e deseja te dar uma grande graça. Eu serei sua Mãe. Você será uma verdadeira filha?” A Santíssima Virgem abriu o seu manto e cobriu Gema com ele. Ela recebeu os estigmas, as Chagas de Jesus sobre seu corpo. Às vezes, no corpo de Gema apareciam as Chagas da Crucifixão, às vezes da Flagelação ou da Coroação de espinhos. Apareciam e depois cicatrizavam, sangravam e doíam muito, principalmente nas sextas-feiras e na quaresma. Jesus disse: “Minha filha, saiba que a poucos dei um gosto das minhas Dores como a você.” Ela nos conta: “Jesus já adquiriu o hábito de sempre me enviar uns presentinhos de dor todas as quintas e sextas-feiras. Desta vez, juntou algo mais precioso: fez-me sentir algumas chicotadas da flagelação. Foi muito doloroso. Estando nós a rezar para que Jesus fizesse desaparecer alguns sinais exteriores de minha carne, eis que Ele me surpreende com esse novo presente! Mas sei que isso não pode ser nada comparado às terríveis chicotadas do meu pobre Jesus.” 
Aceitando as cruzes: Gema nos ensina: “Se Jesus está pregado na Cruz, não reclamemos de ficar ao pé dela um pouco mais. Não vamos deixar Jesus sozinho no caminho do Calvário. Vamos acompanhá-lo, não apenas até o Calvário, mas até a Cruz, até a morte. Vamos até a Cruz e dizer: Santa Cruz, se pensarmos no amor infinito com que Jesus te abraçou, nunca mais fugiremos de você!” Ela conhecia as seguintes palavras de Jesus: “Sabe por que eu envio cruzes para as almas queridas por mim? Porque desejo possuir suas almas inteiramente. Por isso, eu as cerco com cruzes e as coloco nos sofrimentos e tribulações. Elas não podem escapar de minhas Mãos. Minha filha, se você não sente a cruz, também não pode ser chamada para uma cruz. Certifique-se de que sob a cruz você não será perdida. O demônio não tem força contra as almas que gemem por amor a mim numa cruz. Minha filha, quantos teriam me abandonado se não tivessem sido crucificados. A cruz é um dom precioso demais. E com a cruz vêem muitas virtudes." 
Normalidade: Gema era uma jovem muito normal nas aparências e sempre se dizia uma grande pecadora. Certa vez, um padre que não a conhecia direito disse coisas humilhantes sobre ela enquanto costurava. Ela ouviu tudo e concordou sem se sentir ofendida. Várias de suas tias e irmãos nem sequer perceberam que ela avançava no caminho da santidade. Ela escreveu para sua irmã: “Que te dei maus exemplos, que te ensinei coisas más, que te escandalizei, tudo isso sei perfeitamente! Já confessei e espero que tenha me perdoado. Entenda que se pecar, acontece até com os Santos. Mas obstinar-se no pecado já é obra de demônios.” 
Amor ardente a Jesus: Sempre que comungava, Gema dizia lindas frases a Jesus: “Jesus, concede-me a graça de sofrer. Desse modo, poderei dizer que te amo. Foi verdadeiramente o amor que te levou a morte. Jesus, me faça também morrer de amor por Ti.” Seus escritos e cartas com suas frases e orações tocaram multidões de pessoas no mundo inteiro. Ao contemplar um Crucifixo, disse: “Ó Jesus, deixe-me ir a Ti. Eu tenho sede do seu Sangue que dá vida!” 
Ótima empregada: Com 21 anos, Gema foi acolhida pela família Giannini e trabalhava ali como empregada. Eles tinham 11 filhos. Apesar de rezar muito, Gema nunca deixou de ajudar nas tarefas da casa cuidando das crianças, arrumando a casa, lavando, cozinhando e costurando. Socorria os pobres e perguntava se iam à Missa e se pensavam no que Jesus sofreu por nós. Gemma se tornou muito querida por todos os Giannini e a consideravam como um novo membro da família.
Simplicidade nas roupas: Ela se vestia de maneira tão simples que as outras jovens da cidade riam dela. Usava somente vestidos pretos de lã e capa da mesma cor. Seu chapéu preto de palha era sem nenhum enfeite, nem sequer uma flor. Todos os parentes insistiam para que ela colocasse vestidos mais bonitos, mas ela não usava mais. Queria ficar simples como se fosse uma freira. Num inverno, deu seu único casaco para uma pobre tremendo de frio e disse: “Reze para Jesus me aquecer com o fogo do seu amor.”
Heróica nas tentações: Gema mortificava seu paladar e dormia sobre um estrado sem colchão como penitência pelas almas do Purgatório. Um dia, o diabo apareceu-lhe bufando de raiva e ameaçou fazê-la cair em tentação contra a pureza. Gema fez o Sinal da Cruz e pulou dentro de um poço no jardim. A água estava gelada e ela saiu tremendo de frio. 
Vítima de reparação pelos pecadores: No carnaval de fevereiro de 1900, Jesus lhe disse: “Filha, eu também não posso mais sofrer as ofensas que me fazem. Durante estes dias se cometem muitos pecados e já não posso mais suportá-los. Você com seus sofrimentos, procure deter a ira de meu Pai, para que não caia sobre os pecadores. Não desejará fazer isso de boa vontade?” Gema respondeu: “Sim, mas tenho medo de não ser capaz.” Jesus lhe respondeu: “Não tenha medo. Eu vou te fazer sofrer, mas lhe darei a força para suportar." 
Doente de tuberculose: Gema estava com boa saúde, mas começou a sofrer cada vez mais com a tuberculose e seus terríveis sintomas: tosse, febre, vômitos e dores nos pulmões. Gema oferecia todos esses sofrimentos pelos pecadores e dizia: “Sou vítima de Jesus Crucificado.” Ele explicou: “Minha filha, eu preciso de vítimas, vítimas fortes para abrandar a ira do meu Divino Pai. Eu preciso de almas que, por seus sofrimentos, provações e sacrifícios, façam reparações pelos pecadores e pela sua ingratidão. Oh, se eu pudesse fazer todos compreenderem como está a ira do meu Pai com este mundo malvado!” Gema conta: “Tenho que pensar somente nos pecadores. As vítimas devem ser inocentes e eu não tenho nada de inocente. Seja qual for o sofrimento que me mandar, nada recusarei.” Gema disse para Jesus fazer o quisesse: "Eu te enviei esta cruz. Você não a aprecia. Ela é contrária ao seu desejo. Mas quanto mais ela é contrária, mais ela é como a minha Cruz. Quando eu ser o seu Esposo, voltarei a você, mas Crucificado. Mostre seu amor por mim pelo sofrimento, dores e cruzes incontáveis. Você deve, portanto, se considerar honrada se eu te levar por caminhos difíceis e dolorosos, se eu permitir que seja atormentada pelo demônio, se o mundo te desprezar, se as pessoas mais queridas te afligirem e com o martírio diário, eu permitir que sua alma seja purificada e testada. E você, minha filha, só pense em praticar as grandes virtudes. Corra humilhada no caminho da Vontade Divina. Asseguro que se eu te pregar na Cruz, vou te amar.” Gema ficou seus últimos meses de cama. Era tentada terrivelmente pelo demônio, mas clamava incessantemente os Santos Nomes de Jesus e Maria. Estava muito magra, mas continuava com o rosto muito bonito. Jesus a alertou: "Seu sofrimento deve aumentar consideravelmente e uma nova vida deve começar por você. Eu te dou meu cálice de amargura. Você pode bebê-lo até a última gota.” Quando se admiravam dos seus sofrimentos, ela dizia: “Com a ajuda de Jesus, ainda posso um pouco mais.” Disse para a irmã que foi visitá-la na doença: “Todos temos uma alma para salvar. Lembre-se de que temos que passar por momentos como este e você também. Eu rezarei por você. Procure ser boa e reze por mim.”   
Morte serena: Gema disse à tia: "Eu pedi a Jesus que me deixasse morrer em dia de grande solenidade. Que coisa maravilhosa morrer em uma grande festa!” Em 10 de abril de 1903, Sexta-feira da Paixão, Gema pede à senhora Giannini: “Não me abandone até eu ficar cravada na Cruz. Eu tenho que ser crucificada com Jesus. Pois Jesus sempre me disse que todos os seus filhos bons devem morrer crucificados.” Recebeu a Confissão e Comunhão dizendo: “Eu não procuro mais nada. Sacrifiquei tudo e todos a Deus. Agora eu me preparo para morrer.” No Sábado Santo, dia 11 de Abril de 1903, pega no Crucifixo e diz: “Jesus, não posso mais. Se for a sua vontade, me leve para junto de Ti.” Momentos antes de morrer, Gema olhou para um quadro de Nossa Senhora na parede e disse: “Minha Mãe querida, eu te entrego a minha pobre alma. Peça a Jesus que tenha misericórdia de mim.” Gema beijou o Crucifixo que segurava nas mãos. Colocou-o no peito e mantendo as mãos sobre ele, fechou os olhos e permaneceu em oração. De repente, ela sorriu um sorriso lindo, inclinou a cabeça para um lado e morreu com apenas 25 anos. Nenhum dos presentes percebeu que ela morreu e custaram a acreditar nisso, pois pareceu apenas adormecer. Ela morreu no Sábado Santo, depois de passar a Sexta-feira da Paixão com Jesus. Uma das irmãs presentes vestiu o corpo de Gema com o hábito dos Passionistas, a ordem à qual Gema sempre desejou entrar.
Canonização: A vida de Santa Gema é um exemplo de adoração a Deus e amor ao Crucificado. Ela não se tornou freira passionista como queria, mas seu exemplo cativa multidões no mundo inteiro até hoje, leigos, religiosos e sacerdotes. Com muitas curas por sua intercessão, Santa Gema Galgani foi beatificada em 1933 e canonizada em 2 de março de 1940 na presença de várias pessoas que conviveram com ela. Santa Gema Galgani, rogai por nós!